A voz do movimento
  • A voz do movimento / FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • A voz do movimento / FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • A voz do movimento / FOTO: Divulgação
    img
  •        

Projeto promove oficina gratuita no Recife para bailarinos e atores. Inscrições vão até o próximo dia 25

Improviso como ferramenta de aperfeiçoar a expressividade do corpo, propondo a integração entre movimento e produção vocal. Essa é a base da pesquisa do projeto A voz do movimento, uma iniciativa do Coletivo Lugar Comum, que promove sua primeira oficina, gratuita, no Recife (PE), de 04 até 07/03. Mas as inscrições vão só até o próximo dia 25/02, com informações no site do grupo ou através do e-mail  lugarcomumcoletivo@gmail.com.

Durante o trabalho de quatro dias, em 12 horas de encontros, o objetivo proposto pela ministradora do curso, a professora Adriana Fernandes, da UFPB, é estimular e sensibilizar bailarinos e atores para a relação “corpo, voz, som e movimento”, a partir de elementos como a respiração, audição, fonação e cinestesia (veja descrição abaixo).

Esta será a primeira oficina de A voz do movimento que, ao todo, durante um ano, realizará várias atividades práticas e teóricas sobre a criação em dança a partir da improvisação e da exploração da expressão vocal aliada ao movimento.

Além dos encontros semanais reunindo os integrantes do Lugar Comum, o projeto envolve os ensaios abertos e a realização de duas oficinas coletivas como espaços para troca de saberes entre profissionais de várias linguagens, abertas para outros grupos artísticos em atividade em Pernambuco.

O acompanhamento permanente das atividades, através da produção de registros (textos, fotos, vídeos) pelos bailarinos-pesquisadores do Lugar Comum, pode ser feito pelo blog do grupo. Ao final da pesquisa, será apresentada uma criação artística assinada pelos integrantes do Coletivo, desenvolvida ao longo do processo com base no tema trabalhado.

+ Conheça os elementos a serem trabalhados na oficina de Adriana Fernandes:

Respiração: compreensão biológica do processo; músculos, ossos e órgãos envolvidos; treinamento dos diversos tipos de respiração em acordo com os diversos estados emocionais e posições corporais;

Audição: compreensão de elementos básicos relacionados aos princípios sonoros: altura, duração, intensidade, timbre; compreensão de elementos básicos de composição sonora; relação corpo e som – paralelo, oposição, semi-oposicão (ou semi-paralelo);

Fonação: compreensão do processo de emissão vocal; utilizando-se dos elementos apreendidos em audição transpor para a voz o “cargo” de emissão sonora; composição vocal-corporal a partir de altura, duração, intensidade e timbre;

Cinestesia: combinação dos elementos trabalhados anteriormente tendo como foco e origem da atividade o movimento corporal; exercícios de criação artística a partir de sugestões dadas pela professora.

 




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

POSTS RELACIONADOS:

  • Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
    Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
  • Mundo ao redor da dança
    Mundo ao redor da dança
  • Pole dance made in Pernambuco é destaque em competições nacionais e internacionais
    Pole dance made in Pernambuco é destaque em competições nacionais e internacionais

Deixe um comentário

Mensagem