Movimento em pausa
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • André Ferreira
    img
  •        

Na Ponta do Pé estreia série sobre o encontro da dança e fotografia. E no primeiro post, veja os clicks do pernambucano André Ferreira 

Débora Leão

Dançar é transmitir emoções através do movimento. Fotografar, por outro lado, é interromper a cena, captar o instante e eternizá-lo na imagem. Mas fotografia e dança não são artes opostas, pelo contrário: a fotografia de dança é um produto de grande valor estético, uma arte única. Assim, Na Ponta do PÉ estreia série sobre quem clicas os passos, como o fotógrafo pernambucano André Ferreira, um dos profissionais que decidiu registrar a dança pelas lentes de sua câmera. “encontrei na dança um manancial de desafios subjetivos e técnicos”, afirma.

André é fotógrafo desde criança, tendo se tornado profissional há cerca de dois anos. Ele já passou pelos cursos de Engenharia Elétrica e de Ciência da Computação pela UFPE e trabalhou com computação gráfica até transformá-la em hobby e decidir trabalhar exclusivamente com fotografia – nesse meio, dedica boa parte do tempo a fotografar espetáculos de dança e teatro. Aliando o prazer com muito estudo e dedicação, hoje, ele diz estar profundamente realizado com seu ofício.

Recentemente, André Ferreira cobriu todo o Pernambuco em Dança e, depois de passagens por Recife e pelo interior do estado, já teve a chance de entrar em contato com dança afro, ballet clássico, hip hop, dança do ventre e muitos outros estilos. “Não vejo diferença entre bailarinos profissionais pernambucanos e de outros locais. Acredito que onde existem boas estruturas e grandes mestres há chance de florescerem grandes talentos”, analisa.

Suas inspirações para a fotografia de dança vêm de nomes como Ronnie Boehm e Vadim Stein. Se pudesse dar um conselho aos jovens fotógrafos que querem se especializar na área ele diria: “fotografe muito e diariamente. Estude muito fotografia e dança. Fazendo isso diariamente com prazer já se está meio caminho andado. Se não tem espetáculo todos os dias, fotografe um vídeo no seu computador – grande parte das qualidades de um bom fotógrafo de dança podem ser treinadas dessa forma”.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

POSTS RELACIONADOS:

  • Histórias mágicas contadas através do balé clássico
    Histórias mágicas contadas através do balé clássico
  • A Bela Adormecida despertada pela Academia Fátima Freitas
    A Bela Adormecida despertada pela Academia Fátima Freitas
  • 50º espetáculo do Ballet Lúcia Helena D’Angelo
    50º espetáculo do Ballet Lúcia Helena D’Angelo

2 Comentários

Marcos Ferreira

2013-06-17 21:20:03 Responder

Parabéns André!

Você consegue captar expressões muito especiais das apresentações. São instantes nos quais a luz destaca o vigor e ao mesmo tempo a leveza dos movimentos. Gostei muito.

Luane

2013-06-25 22:08:02 Responder

Adorei essa materia. Vou repassar pros amantes da fotografia 😉

Deixe um comentário

Mensagem