Na Ponta do PÉ até de nove meses
  • Brenda Sechettini / FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • Brenda Sechettini / FOTO: André Ferreira
    img
  •        
  • Brenda Sechettini e o marido / FOTO: André Ferreira
    img
  •        

A bailarina e professora de dança Brenda Sechettini conta como foi conciliar a rotina de trabalho com a gravidez

Juliane Menezes

“Minha filha já entrou no palco”, afirma entre risos a bailarina Brenda Schettini, 32 anos. Dançarina profissional e professora de balé clássico, ela descobriu que estava grávida em outubro do ano passado. Não só continuou dando aulas de dança até o nono mês de gravidez, como chegou a participar de uma apresentação de dança com a pequena Pietra na barriga. “Apresentei-me grávida, mas sem saber. Logo no início da gravidez e dançando no REC Dança, um espetáculo contemporâneo do argentino Diego Lopez”, conta.

Uma vez descoberta a gravidez,  orientação médica foi de que ela tivesse mais cuidado nos primeiros meses, período de maior risco e no qual o bebê ainda está em formação. Nesse período, os excessos foram evitados, os movimentos, menos bruscos, e os saltos, proibidos.

Brenda seguiu com as aulas de balé clássico até os 6 meses de gestação. Foi então que ela decidiu parar e fazer pilates, pois seus movimentos no palco começaram a ficar limitados. “Eu não podia saltar, girar era difícil, entre outras dificuldades. Mas continuei ensinando até o último mês de gravidez”, revela. Seu marido e pai da criança, Bruno Lapenda, foi bastante tranquilo em relação ao fato de ela permanecer dançando durante a gravidez. “Ele me apoiou sempre, pois sabe que o balé é uma terapia e que me faz bem”, conta.

Pietra nasceu em 1 de outubro, e desde então, o casal é só mimos para o bebê. Brenda ainda está de licença maternidade, mas já se preocupa com a volta ao trabalho, em fevereiro.  “Não sei como será… Não sei se conseguirei ser tão assídua como sempre fui”, pondera a nova mamãe.

CARREIRA

Brenda entrou para a dança aos 6 anos de idade. Na época não gostou muito, e logo pediu à mãe para sair. Mas aos 9 anos retornou para nunca mais deixar. Ela é bailarina e hoje dá aulas de Balé no Studio de Danças.  Já se apresentou em diversos grandes festivais, a exemplo dos de Joinville, Brasília, Fortaleza, e também no próprio Recife.

 




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

POSTS RELACIONADOS:

  • Endança comemora 10 anos com o espetáculo Déjà Vú
    Endança comemora 10 anos com o espetáculo Déjà Vú
  • Histórias mágicas contadas através do balé clássico
    Histórias mágicas contadas através do balé clássico
  • A Bela Adormecida despertada pela Academia Fátima Freitas
    A Bela Adormecida despertada pela Academia Fátima Freitas

Deixe um comentário

Mensagem