Obra que homenageia Chico Science estreia o projeto Espetáculos em Sala
  • Zambo | FOTO: Wellington Dantas
    img
  •        
  • Zambo | FOTO: Wellington Dantas
    img
  •        
  • Zambo | FOTO: Wellington Dantas
    img
  •        
  • Zambo | FOTO: Wellington Dantas
    img
  •        

Zambo, do Grupo Experimental, será o primeiro se apresentar, com temporada entre 18 e 26 de agosto

O Espaço Experimental, no Recife Antigo, será sede do projeto “Espetáculos em Sala”, que ao longo do segundo semestre deste ano, até janeiro de 2018, receberá seis espetáculos selecionados por convocatória financiada pelo Funcultura. O primeiro deles é Zambo, do Grupo Experimental, que abre a casa ao projeto nos dias 18, 19, 25 e 26 de agosto, às 20h.

A obra, que surgiu em 1997, é inspirada na ideias do Movimento Mangue, encabeçado por Chico Sciense. Neste ano, o espetáculo completa 20 anos de criação, assim como a morte de Chico. Mas ele vem com uma nova roupagem, tendo sido remontado no final do ano passado.

Assim, nesta nova temporada, o público terá a oportunidade de rever a obra numa concepção diferente de um palco, de forma intimista e próxima a esse universo, trocando o tempo inteiro, de forma orgânica, com os artistas em cena.

Os ingressos serão disponibilizados na bilheteria do local uma hora antes de cada apresentação, ao valor de R$30 (inteira) e R$15 (meia). Mais informações: (81) 3224. 1482.

SOBRE Zambo 

Uma cidade acordou órfã no dia 02 de fevereiro de 1997. O Recife que viu surgir o ícone Chico Science falando para o mundo sobre os rios, pontes, manguezais havia partido. Uma cidade que aprendeu com ele a olhar para dentro de si, de sua gente, sua estética, aprendeu que a sua música e sua dança eram traços que a tornavam singular diante do mundo. E permeando a saudade e a resistência do que Chico nos provocou a sentir foi que surgiu o espetáculo Zambo.

No início uma dança de saudade, repleta de sentimentos e trechos de uma época de descobertas. Hoje um hino à toda simbologia que passaria a conferir a esta obra um caráter atemporal. São 20 anos sem Chico subindo aos palcos, mas são 20 anos também de construções e provocações que surgiram deste sentimento de liberdade e inovação que o Recife conheceu a partir do Movimento Mangue.

 




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Fabiana Constantino

POSTS RELACIONADOS:

  • Mostra Só Dança PE chega à terceira edição
    Mostra Só Dança PE chega à terceira edição
  • Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
    Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
  • Mundo ao redor da dança
    Mundo ao redor da dança

Deixe um comentário

Mensagem