Orun Santanta apresenta temporada do espetáculo Meia Noite
  • Orun Santana | FOTO: Amanda Pietra
    img
  •        
  • Orun Santana | FOTO: Amanda Pietra
    img
  •        
  • Orum Santana | FOTO: Hannah Carvalho
    img
  •        
  • Orum Santana | FOTO: Hannah Carvalho
    img
  •        
  • Orun Santana | FOTO: Amanda Pietra
    img
  •        
  • Orun Santana | FOTO: Amanda Pietra
    img
  •        
  • Orum Santana | FOTO: Hannah Carvalho
    img
  •        
  • Orum Santana | FOTO: Hannah Carvalho
    img
  •        

O solo dialoga sobre a relação entre pai e filho, mestre e discípulo. As apresentações acontecem até 06 de julho, sempre às sextas e aos sábados, no Teatro Arraial Ariano Suassuna (Recife, PE)

O bailarino Orun Santana coloca em cena nova temporada de Meia Noite, no Teatro Arraial Ariano Suassuna. As apresentações acontece até 06 de julho, sempre às sextas e aos sábados, às 20h. O espetáculo solo passeia pela capoeira como elemento criador e motivador do movimento, sobretudo dos corpos do Mestre Meia-noite, nome artístico de Gilson Santana, e Orun. Ambos brincantes e artistas do Daruê Malungo, pai e filho, construíram suas carreiras e sua relação dentro deste universo.

A obra explora ainda a capoeira como procedimento de uso de imagens/memória do corpo do dançador como elemento criador, traço marcante na obra de Orun, como artista e pesquisador no assunto. O espetáculo solo dialoga dramaturgicamente sobre a relação entre pai e filho, entre mestre, discípulo e consequente relação com a ancestralidade pessoal, principalmente masculina, na busca de uma conexão com essas energias e possíveis curas e construção de uma nova masculinidade.

As histórias e memórias do imaginário afro-brasileiro atuam direta e indiretamente na construção de imagens na formação do corpo negro que dança. É um diálogo com o reconhecimento de identidade, ora individual, ora coletiva, entendido na relação das limitações (gerenciadas pelo poder hegemônico), com as tentativas de construção e reconhecimento do fazer artístico do artista negro no âmbito cultural brasileiro.

Entendendo que o corpo, e suas escolhas, é marcado não só pela memória, mas também pela sua trajetória. “É possível buscar na história do Brasil os locais em que esses corpos foram destinados a ocupar e, consequentemente, compreender que os mesmos foram e são lugares que fundamentaram e fundamentam alguns caminhos e escolhas, apontando para uma forma de percepção e de afeção particular na arte e na dança”, explica Orun.

Nas décadas de 1970 e 1980, eclodiram no Recife movimentos precursores no promover de práticas de ações afirmativas através da arte e cultura negra, principalmente em comunidades da periferia. Esses movimentos deram cria a uma nova geração de artistas muito ativos na construção de uma nova realidade partindo de referenciais afro-diaspóricos, dentre eles o Mestre Meia-noite. O mestre Meia-noite é um dos responsáveis por criar e manter o Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, no bairro de Chão de Estrelas, na Zona Norte do Recife. Uma casa que acolhe crianças e jovens para transmitir música, dança, cultura brasileira, fincadas nas raízes negras.

O espetáculo solo vem compartilhar com o público questões e problemáticas de construção identitária, através da relação de Orun Santana com a figura do mestre Meia-noite e sobre as relações entre esses corpos. Orun mergulha em seus processos formativos artísticos educacionais, abrindo questões sobre corpo e a memória, enquanto artista, educador, negro, periférico e em constante relação com as de seu pai.

A ideia para a criação do espetáculo Meia Noite surgiu como proposta de um “re-enactment” (re-performance) do solo de capoeira do Mestre Meia-noite no espetáculo Nordeste, do Balé Popular do Recife, e continuou como pesquisa posterior para a construção da apresentação. “A capoeira é explorada como elemento criador e motivador do movimento, construindo um procedimento de uso da memória corporal, dialogando dramaturgicamente na relação pai e filho, mestre e discípulo. São utilizadas dinâmicas que buscam construções de imagens e estados corporais como via de investigação em cena”, explica o bailarino.

Orun Santana é ainda responsável por um centro de cultura e vivência em Dança, chamado A CUMBE, onde tem convidado artistas e pesquisadores para se conectar em ações de fruição e exercício do corpo. O bailarino ressalta ser a maior obra de sua trajetória como educador popular e artista da dança. Para ele, “Meia Noite” fala da trajetória de um artista, da sua própria experiência como fazedor da arte, mas que o fazer da dança pode surgir em corpos que queiram falar, contar histórias, como corpos políticos, transformadores e inquietos.

No fim, a obra e vida de Orun são parte também do que ele chama de “auto-protagonismo”, onde o artista vê e compreende a ele mesmo como alguém capaz de transformar o meio a partir das suas experiências, dores e vislumbres sobre o mundo que se movimenta. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia) e estão à venda na bilheteria do teatro (uma hora antes do início de cada espetáculo).

Ficha técnica

Intérprete, criador e diretor: Orun Santana
Consultoria artística: Gabriela Santana
Assistente de direção: Júnior Pereira Lima
Trilha Sonora: Vitor Maia
Iluminação: Natalie Revorêdo
Cenografia: Victor Lima

Serviço

Temporada do espetáculo “Meia noite”, de Orun Santana
Quando: até 06 de julho, sempre às sextas e sábados, às 20h
Onde: Teatro Arraial Ariano Suassuna (Rua da Aurora, 457, Boa Vista – Recife)
Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia entrada)
Classificação: 10 anos
Duração: 50 minutos
Informações: (81) 98236.3777




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

POSTS RELACIONADOS:

  • Isabela Severi realiza oficina sobre explorações somáticas de movimento
    Isabela Severi realiza oficina sobre explorações somáticas de movimento
  • 35º Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife
    35º Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife
  • Sapatilha de ponta: quando começar a usar?
    Sapatilha de ponta: quando começar a usar?

Deixe um comentário

Mensagem