Artista de danças urbanas fala sobre aulas e criações para a internet
  • Rayane Maria | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Rayane Maria | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        

No último vídeo da nossa série de entrevistas sobre “Dança pernambucana na pandemia”, trouxemos o depoimento da bailarina Rayane Maria

Nas últimas semanas, Na Ponta do PÉ mostrou várias ações e produções que artistas de dança de Pernambuco vêm desenvolvendo – apesar destes tempos difíceis – na nossa série de entrevistas sobre Dança pernambucana na pandemia, desenvolvida em nove espisódios.

Para finalizar a série, conversamos com a bailarina Rayane Maria, diretora do Aurora Urbana, um coletivo de danças urbanas, do Recife. Ela contou, durante entrevista em vídeo, já disponível no nosso canal do Youtube, sobre as aulas online e criações do grupo voltadas para exibições na internet.

“Eu penso que a dança, nesse processo, foi o que mais me salvou. Porque toca uma música e você quer dançar. Volta e meia tem aula de alguém que admiramos e vamos lá fazer. Eu, pelo menos, busquei não ficar parada, dançar e me movimentar todos os dias, de alguma forma”, disse Rayane.

Ela lembrou que não existe um “ponto positivo”, pois é querer romantizar a pandemia e este momento que estamos é muito pesado, com tantas vidas perdidas e falta de oportunidade para vários setores. Mas o contato com a dança, mesmo que virtualmente, deram um norte para ela, principalmente na quarentena mais rígida.

Sobre as produções do grupo, a bailarina explicou que desde o começo do Aurora Urbana eles desenvolviam dança para a tela. “Mas até para gravar videodanças, sem as restrições, era muito mais simples. Na pandemia, fizemos videodanças cada um gravando de sua casa. E teve também uma gravada presencial, chamada de ‘Por fim’, que foi ensaiada uma parte online e outra presencialmente”.

“No início, o coreógrafo mandava os vídeos e a gente tirando as dúvidas por videochamada. Quando estávamos mais ensaiados, marcamos presencialmente para limpar a coreografia, mas todos de máscaras e seguindo os protocolos sanitários”, completou Rayane sobre a criação da videodança.

Atualmente, a Aurora Urbana conta com 15 pessoas que estudam movimentos das danças urbanas, como dance hall, vogue, wacking, jazz funk, twerk e house. Contato: @auroraurbana.

A seguir, confira a entrevista, na íntegra:

Conteúdo produzido por Na Ponta do PÉ com incentivo da Lei Aldir Blanc, através Secretaria de Cultura do Governo de Pernambuco.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Psicóloga e bailarina fala sobre o medo de voltar a dançar, após isolamento social
      Psicóloga e bailarina fala sobre o medo de voltar a dançar, após isolamento social
    • Cia. Trapiá de Dança comemora 30 anos com temporada de  espetáculos online
      Cia. Trapiá de Dança comemora 30 anos com temporada de espetáculos online
    • Companhias de dança popular se apresentam no projeto Magia do Frevo, via live
      Companhias de dança popular se apresentam no projeto Magia do Frevo, via live

    Deixe um comentário

    Mensagem