Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
  • Tragédia (RN) | FOTO: Carol Macedo
    img
  •        
  • Por onde andam os porcos (PE) | FOTO: Rhaiza Oliveira
    img
  •        
  • Sal Facetas (RN) | FOTO: Brunno Martins
    img
  •        

A mostra virtual acontece de 17 a 24 de julho, contando com produções de vários estados nordestinos

Para a dança e teatro continuarem em cena, durante a pandemia, surge mais uma mostra vistual. É o Cenas do Nordeste, que acontece de 17 a 24 de julho e vai apresetnar 19 registros audiovisuais (filmagens) de espetáculos de diversos artistas e grupos nordestinos.

Com realização da Ardume Produções, de Natal (RN), esta a primeira edição do festival, que nasce no formato online. As obras cênicas serão exibidas através da plataforma de conferências Zoom e o público poderá adquirir os ingressos através do site do Sympla.

Os ingressos avulsos custam R$ 10,00, por espetáculo. Mas haverá combos promocionais disponíveis para adquirir vários ingressos por um preço menor. Segundo a produção do evento, a ideia do evento surgiu diante da pandemia do novo coronavírus, quando os teatros se encontram fechados e a é preciso readaptação manter a cultura em cena.

“Estamos buscando meios de dar continuidade às produções e trabalhos culturais que também movimentam a economia e mantém financeiramente inúmeros trabalhadores e trabalhadoras da cultura no país, os espaços virtuais têm se mostrado como alternativas aos encontros entre público e artistas”, diz a produção do Cenas Nordeste.

A produção informa ainda que a iniciativa não conta com nenhum tipo de apoio institucional ou patrocínio, por esta razão a compra dos ingressos contribuirá com os pagamentos da equipe e de todos os artistas que compõem a programação.

“Torna-se um modo de, não somente apoiar as artes da cena nordestinas, mas também de conhecer mais o trabalho que vem sendo realizado nos estados e subverter as lógicas de eixo e hegemonias predominantes na arte brasileira, trazendo visibilidade, afirmação e diálogo para outros territórios criativos”, diz o texto enviado pela produção da mostra.

NA PROGRAMAÇÃO

Serão 16 espetáculos para o público adulto, às 17h e 21h, além de três espetáculos destinados ao público infanto-juvenil, na Mostra Matinê, realizada às 10h. Artistas e grupos de todos os estados do Nordeste estarão presentes nesta edição: Pernambuco, Piauí, Sergipe, Alagoas, Paraíba, Bahia, Maranhão e Ceará, com destaque para obras do Rio Grande do Norte, de onde surge a iniciativa.

Representando o estado de Pernambuco, teremos a obra “Por Onde Andam os Porcos” da performer, diretora e coreógra Kildery IARA; uma obra performativa que traz uma releitura da imagem do porco capitalista. Após as exibições dos registros em vídeo, o público será convidado a permanecer na sala virtual para um bate-papo com as artistas Iara e Marcela Aragão, mediado pelos artista-pesquisadores convidados Franco Fonseca (RN) e Euler Lopes (SE).

Além dos mediadores convidados, o evento conta com a produção dos artistas Diogo Spinelli, Heloísa Sousa, Thásio Igor e Pablo Vieira, que junto com Felipe Fagundes, idealizador da Ardume Produções, organizam o Cenas do Nordeste. A identidade visual e o material gráfico são assinados pela designer Gabriela Pacheco.

SERVIÇO

Cenas do Nordeste – Mostra Virtual
Quando: de 17 a 24 de julho de 2020
Ingressos: R$ 10, por espetáculo, à venda no Sympla
Informações: no Instagram @cenasdonordeste

SOBRE AS OBRAS

Negreiros, da Cia. LaCasa (AL), uma obra teatral dirigida por Fátima Farias e Abides Oliveira sobre a abolição da escravatura no Brasil.

Os que vêm de longe, do Teatro Poesia (AL), conta a trajetória de cinco refugiado em um mesmo barco, compartilhando memórias, dores e esperanças.

Quaseilhas (BA), uma obra dirigida e concebida por Diego Araúja a partir de suas memórias e vivências em Alagados de Itapagipe e utilizando da literatura oral yorubana.

Ancés, de Tieta Macau (MA), é uma performance onde a artista tenta traçar a genealogia do corpo negro que dança.

Memórias de um cão, do Coletivo de Teatro Alfenim (PB), dirigido por Márcio Marciano a partir de estudos sobre a obra de Machado de Assis.

Soraia Queimada, filha da violência, do Desacerto Coletivo (PB), onde a drag queen Soraia Queimada, bicha preta e periférica, apresenta números sobre as violências do cotidiano brasileiro.

Por onde andam os porcos, digirida por Kildery IARA (PE), é uma obra performativa em dança que questiona o desempenha hiper produtivo da sociedade capitalista através de leituras de obras como A Sociedade do Cansaço de Byung Chul Han.

Dança Manifesta, da Demolition Incorporada (PI), com direção de Marcelo Evelin, a obra a partir dos escritos do coreógrafo japonês Hijikata Tatsumi e que tenta organizar uma patologia dançada pelo corpo em movimento para fora de si mesmo.

Trindade, Só Homens Cia. Dança (PI), uma obra que apresenta três entidade: a drag, o cavalo e o xaile; as descoberta e fracassos desses corpos a partir dos fados portugueses.

Provisório, do Grupo de Teatro Interferências (RN), com dramaturgia e direção de Thayanne Percilla, onde três personagens vivem relações familiares conturbadas.

Chico Jararaca, da Cia. Trapiá (RN), apresenta a história dessa figura nascida no Seridó potiguar e que foi cangaceiro do bando de Antônio Silvino.

Instruções para Abraçar o Ar, com direção de Diogo Spinelli (RN), a partir do texto de Arístides Vargas sobre a ditadura militar argentina.

A Tragédia Mais Insignificante do Mundo, do Teatro das Cabras (RN), obra teatral escrita pela dramaturga Fernanda Cunha onde uma perita criminal tenta desvendar o assassinato de três cabras.

Lá do Interior, Coletivo de Atores Ô de Casa Ô de Fora (RN), um espetáculo teatral que segue o encadeamento do amanhecer até o anoitecer de um cotidiano do interior do Rio Grande do Norte.

Piedade, a seu dispô, da Dicuri Produções (SE), com a atriz Isabel Santos e dramaturgia de Euler Lopes, a obra investiga as condições de miserabilidade de certas camadas da sociedade brasileira.

Respire – Manifesta, do Grupo Caixa Cênica (SE), uma instalação-vivência cênica com uma dramaturgia expandida composta por palavras, sons, cheiros, movimentos e corpos políticos dançantes.

Na Mostra Matinê, os espetáculos infantis:

O Sr. Ventilador, do Grupo Bagaceira (CE), uma peça que mostra a divertida relação entre um gerente de escritório e seu funcionário mais antigo e grande amigo o Sr. Ventilador.

Pinóquio & Gepeto ao sabor do vento, do Coletivo Piauhy Estúdio das Artes (PI), um espetáculo para todas as idades a partir de um dos maiores clássicos da literatura mundial.

Sal, Menino Mar, do Grupo de Teatro Facetas, Mutretas e Outras Histórias (RN), contando a história de Sal, uma criança que ama o mar e precisa atender o pedido de ajuda de uma concha para salvar os seres marinhos.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
      Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
    • MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
      MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa

    Deixe um comentário

    Mensagem