Dinamismo e precisão nos clicks da dança
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • FOTO: Fernando Azevedo
    img
  •        
  • Fernando Azevedo
    img
  •        

O segundo post da série Movimento em Pausa mostra a paixão pela arte capturada pelas lentes de Fernando Azevedo

Débora Leão

Quando tinha apenas seis anos, e foi ao cinema pela primeira vez, Fernando Azevedo já parecia saber que trabalharia com fotografia pelo resto da vida. Quase que de forma predestinada, a arte atravessou sua vida em vários momentos – começou a trabalhar como assistente de fotógrafo e, sempre tão admirado com a arte, logo se tornou cinegrafista – profissão que mantém até hoje, junto com a fotografia. Trata-se de uma paixão irreparável por imagens – estáticas ou em movimento. E é sobre a historia desse fotógrafo que Na Ponta do PE faz a segunda postagem da série Movimento em Pausa.

Não demorou até Fernando descobrir uma nova paixão: a dança. “Sempre gostei de dança! Como cinegrafista, fiz muitos trabalhos nessa área. Seja clássica, popular ou experimental, para mim, todo o movimento é lindo, é perfeito”, revela. No currículo, são várias as experiências com a arte. Começou com os espetáculos No tempo das flores e Sonhos de uma noite de verão e o interesse foi crescendo. Chegou a ir fotografar por conta própria o Pernambuco em Dança, em 2008, levando na bagagem a câmera recém comprada e muita paixão pelo que faz.

Quando perguntado sobre as diferenças entre fotografar dança e outros objetos temáticos Fernando é enfático: “além da empatia pessoal que tenho pelo tema, também é preciso atenção à própria dinâmica da dança, que é precisa, antecipada, planejada. Você tem um átimo de segundo para a foto ser perfeita”. Para que o resultado saia bom, o fotógrafo também precisa de algumas técnicas – dentre outras coisas que só vêm com a experiência. Uma delas é acompanhar os ensaios dos espetáculos, para entender melhor o desenrolar das cenas e se preparar melhor para o momento chave.

Sua agenda não inclui somente dança, no entanto. Fernando trabalha na Universidade Federal Rural de Pernambuco, cobrindo os eventos institucionais. Costuma fazer documentários, entrevistas e estudos diversos. Assume com orgulho que sempre busca inspiração na sétima arte e conta o segredo de ser um bom profissional de fotografia e cinegrafia. “Se você analisar meu trabalho, perceberá uma gama enorme de temas: da dança à lutas de Vale Tudo; de rostos anônimos a lagartixas no meio do sertão; do nu artístico a uma criança de rua; da paisagem aberta à uma minúscula florzinha, enfim tudo me é interessante! É preciso estar atento a tudo que nos rodeia, pois um bom fotógrafo tem que estar apto a dominar qualquer tema, qualquer área. Você tem que estar com sua cultura sempre atualizada”, finaliza.

 

– Leia também o primeiro post da série Movimento em Pausa




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
    • Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
      Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
    • Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias
      Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias

    Deixe um comentário

    Mensagem