Coletivo Lugar Comum comemora 10 anos com oficina e mostra gratuitas
  • Silvia Góes | FOTO: Ju Brainer
    img
  •        
  • Vi Laraia | FOTO: Vanessa Alcântara
    img
  •        
  • Silvia Góes | FOTO: Ju Brainer
    img
  •        
  • Vi Laraia | FOTO: Vanessa Alcântara
    img
  •        

Os eventos que celebram  primeira década do grupo acontecem de 20 a 23/05, no Recife Antigo 

O Coletivo Lugar Comum, grupo recifense que nasceu com dança (mas integra outras linguagens artísticas, atualmente), completa sua primeira década de atuação. Para celebrar seus 10 anos, vai realizar, gratuitamente, a oficina “Mutiplicando afetos e compartilhando passos” (segundo módulo), nos próximos dias 20, 21 e 22, das 14h às 18h, no Muafro (Recife Antigo).

A segunda ação é a realização de um encontro-debate sobre pesquisa em dança, no dia 23, que acontecerá junto com a mostra do processo de uma pesquisa histórica e artística que o Coletivo desenvolveu ao longo dos últimos dois anos, refletindo e reinventando nos seus 10 anos de existência. Todas as ações são gratuitas.

OFICINA

As inscrições para o segundo módulo da oficina “Multiplicando afetos e compartilhando passos” são através do oficina10anoslugarcomum@gmail.com, até este domingo (19/05). Esse módulo irá trazer práticas de corpo e criação que têm como tema presença e expansão. Se será ministrado pelas artistas Sílvia Góes e Vi Laraia.

Silvia Góes é artista integrante do Coletivo Lugar Comum e das Violetas da Aurora. Sua pesquisa em dança é voltada para a improvisação e o toque como impulso para movimento. Tem formação em Movimento Autêntico e pratica Contato Improvisação.

Já Vi Laraia é psicóloga e artista integrante do Coletivo Lugar Comum. Tem pesquisa em dança, terapias corporais e práticas de dança na água. Tem formação em Aguahara e pratica Contato Improvisação. O foco da oficina são práticas de criação e sensibilização corporal utilizadas pelo coletivo em suas diversas criações.

Quando: 20, 21 e 22 de maio de 2019
Horário: das 14h às 18h
Onde: Muafro, Recife Antigo – Rua Mariz e Barros, 328, Bairro do Recife (Recife, PE)
Inscrições gratuitas: através do oficina10anoslugarcomum@gmail.com, até 19/05

MOSTRA

Faz parte do projeto Revisitando Lugares Comuns, viabilizado pelo Funcultura, com a proposta de olhar para a própria história para refletir os caminhos de atuação do Coletivo. Assim, reuniu-se s artistas integrantes do coletivo em torno da tarefa de levantar e olhar para material relativo às ações nos últimos 10 anos.

Um trabalho na busca de aprofundar a integração entre do passado e o que desenvolve até hoje. E no próximo dia 23, às 19h, o Coletivo vai promover um encontro-debate para conversar com outros artistas da cidade sobre a pesquisa em dança. Também fará uma Mostra artística do processo dessa pesquisa realizada torno dos seus 10 anos.

Quando: 23 de maio
Horário: às 19h
Onde: Muafro, Recife Antigo – Rua Mariz e Barros, 328, Bairro do Recife (Recife, PE)
Acesso gratuito

HISTÓRIA

O Coletivo Lugar Comum surgiu em 2007, primeiramente de artistas da dança que estavam atuando independentes na cidade e queriam construir um lugar de compartilhamento e troca de ideias, de experiências, de aulas e de questões ligadas a criação. Em 2011 o Coletivo passou a ter outra formação de integrantes agregando um grupo de artistas com atuação em diferentes linguagens (dança, teatro, performance, música, literatura, artes visuais) e também produtores. Hoje, conta com 14 integrantes.

Atividades na primeira década:

  • Nove criações cênicas (espetáculos, solos de dança, performances e intervenções urbanas), como Leve e Segunda Pele. Leve fez circulação em 2011 por 33 cidades brasileiras. E Segunda pele circulou em 2018 por 22 cidades do Brasil. Leve também realizou apresentações no Chile, Uruguai e Argentina em 2014. Já Segunda Pele irá se apresentar No Chile, Uruguai e Paraguai, ainda neste este ano
  • Duas criações realizadas em espaços públicos: intervenção Trânsito Coletivo e performance Motim. As duas foram criadas em 2014, no contexto político urbano de Recife de atuação do Ocupe
  • Estelita, movimento no qual o Coletivo se envolveu e realizou ações de dança no acampamento.
  • Cinco pesquisas teórico-práticas sobre aspectos ligados à dança, ao corpo, à voz, à improvisação, ao espaço urbano, ao vídeo, ao circo, e aos arquétipos do feminino
  • Três edições do Contato Coletivo: Eencontro de Contato Improvisação de Pernambuco, que recebe dançarinos de toda América Latina. Este ano, será realizada quarta edição do Encontro, de 5 a 15 julho, no Forte das Cinco Pontas (Recife)
  • Edição do Encontro Conexões Criativas: Encontro de Coletivos no Brasil, reunindo no Nordeste artistas para compartilhar experiências de se organizar coletivamente e discutir as questões estéticas e políticas. Reuniu os coletivos: Núcleo do Dirceu (Teresina -PI), Dimenti (Salvador-BA); Coletivo Couve-flor (Curitiba – PR), Sua Cia de Dança (Salvador-Ba), Coletivo Lugar Comum (Recife-PE), República Cênica (Campinas -SP)
  • Oferecimento de aulas regulares e oficinas relacionadas à dança, à composição artística, ao corpo em movimento e à voz, desde 2011, onde tiveram sua primeira sede
  • Organização de jams de dança improvisação e abertas ao público, desde 2011
  • Produção de oficinas e residências, trazendo ao Recife artistas, professores e pesquisadores renomados de todo o Brasil e internacionalmente
  • Gerenciamento de dois espaços artísticos no centro da cidade. O primeiro no Recife Antigo, na sala 202, onde se estabeleceu por dois anos e possibilitou a oferta de várias oficinas e curso de formação para a cidade. Em seguida, mudou-se para a uma casa na Rua do Lima, onde realizou, além de ações de formação, debates, festivais, Jams de Dança, festas, shows e apresentações de espetáculos
  • Variadas ações ligadas à promoção da acessibilidade nas artes cênicas, incluindo temporadas com audiodescrição e tradução em Libras, debates, realização de oficinas e o projeto “Multiplicando olhares sobre o corpo que dança”, que reuniu pessoas cegas e não cegas em torno de oficinas, vivências criativas e uma oficina ministrada por Joselma Soares, bailarina cega integrante da Cia. Giradança (RN)
  • Publicação de livro sobre o processo de criação da performance Motim. Também está em fase de finalização do segundo livro, a ser publicado em julho de 2019, sobre os 10 Anos do Coletivo



Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
    • Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
      Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
    • Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias
      Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias

    Deixe um comentário

    Mensagem