Leve, do Coletivo Lugar Comum, em nova temporada
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        
  • Leve | FOTO: Breno César
    img
  •        

A montagem será apresentada nos próximos dia 20, 21, 27 e 28/10, no Espaço Experimental, fazendo parte do projeto “Espetáculos em Sala” 

O projeto “Espetáculos em Sala” segue no mês de outubro com Leve, do Coletivo Lugar Comum, nos dias 20, 21, 27 e 28, no Espaço Experimental, sempre às 20h. A obra, vivenciada pelas bailarinas e coreógrafas Maria Agrelli e Renata Muniz, retrata os sentimentos mais intensos da condição humana, suas fragilidades e poder de cura.

O trabalho é uma delicada harmonia entre dança, música, cenário, iluminação e figurino, que transforma o espectador em parte da narrativa de forma intensa, colocando cada um dentro do universo dicotômico de sentimentos e sensações como leveza e desespero. A montagem, que nasceu em 2009, já foi assistida por mais de cinco mil pessoas, em 15 Estados brasileiros e em circulação internacional pela América do Sul.

A obra carrega ainda uma importante e pioneira experiência, como primeiro trabalho de artes cênicas a ser apresentado com áudio-descrição para pessoas com deficiência visual em Pernambuco, em 2011, durante o Festival Palco Giratório, além de intérprete de Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais. Em 2012, consolidou-se também por realizar uma temporada completa com acessibilidade comunicacional em todas as sessões.

Os ingressos para o espetáculo, que tem censura livre e 45 minutos de duração, custam R$30 (inteira) e R$15 (meia), podendo se adquiridos uma hora antes de cada apresentação. O Espaço Experimental fica na Rua Tomazina, nº 199, Recife Antigo. Mais informações: (81) 3224.1482 e 98236.3777.

Sinopse

Mortes, perdas, despedidas, saudades. Memórias, ausências, ruínas de um futuro que evoca sem cessar a presença que já não está. Uma narrativa tão cotidiana no mundo dos vivos quanto cheia de dores, perdões, belezas e mistérios. Leve, espetáculo do Coletivo Lugar Comum, foi concebido e montado pela primeira vez em 2009, reunindo artistas recifenses na vontade de levar à cena os espasmos de acontecimentos reais, de temas tão recorrentes à condição humana, desnudando-os no encontro.

Os corpos, movimentos, música, cenário, figurino e iluminação, tudo está junto, delicadeza e desespero levemente trançados num bordado em que tudo no palco fala, se complementa e silencia bem perto, fazendo do público parte do espetáculo. As sensações de impotência, dor, raiva, angústia, vazio e alívio se mesclam desveladas pelos corpos das bailarinas Maria Agrelli e Renata Muniz e pela atmosfera criada com os elementos cênicos.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
    • Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
      Cenas do Nordeste, online, traz espetáculos de dança e teatro
    • Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias
      Coreógrafo Ivaldo Mendonça se conecta com bailarinos durante a pandemia, através de fotografias

    Deixe um comentário

    Mensagem