Pole Dance começa a se popularizar no Recife
  • Jacqueline Colares | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Jacqueline Colares | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Jacqueline Colares | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Jacqueline Colares | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Jacqueline Colares | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Marcela Albino, aluna de Pole Dance | Arquivo pessoal
    img
  •        

Deixando o preconceito de lado, a modalidade surpreende pela força, alinhamentos e movimentos acrobáticos, uma união entre dança e esporte

Sim, o Pole Dance surgiu em boates de strip nos anos 80, na Inglaterra. Mas, hoje, é uma atividade esportiva reconhecida e até com campeonatos mundiais, como o Pole Word Cup. Unindo dança com acrobacias, a modalidade feminina surpreende com movimentos únicos de força e graciosidade. E, apesar de toda regulamentação a evolução técnica ao longo de três décadas, a sensualidade faz parte do estilo.

Por isso, a “dança do poste” ainda é vista com preconceito por quem desconhece sua atual expressão coreográfica. Então, Na Ponta do PÉ visitou um estúdio de Pole Dance no Recife para mostrar todo encantamento que o ele transmite, sem tom de vulgaridade. A professora Jacqueline Colares, a primeira profissional pernambucana capacitada pela Federação Brasileira de Pole Dance, órgão que legitima a prática da atividade no Brasil, é quem conta para o canal como o caráter artístico conquistou as recifenses.

“O Pole Dance ainda não está ‘no auge’, mas acredito que vem atraindo o interesse cada vez mais das mulheres porque elas percebem, após assistirem a aula, que ele não denigre a imagem feminina”. A pouca roupa Jacqueline justifica ser exigência para aderir o corpo na barra (poste) e travar, possibilitando a execução de movimentos de ganchos, quando a pole dancer fica equilibrada no alto.

E são inúmeras as formas de ficar suspendida, inclusive, é a liberdade de criação é a maior caraterística da atividade. “Sou dançarina de salão há quatro anos, minha paixão, mas estava em busca de algo diferente, que eu pudesse executar sozinha. Assim, conheci o Pole Dance e também amo porque a cada dia surgem novidades”, revela.

Os passos são suaves, mas a execução requer treino e dedicação, pois é preciso ter flexibilidade, postura e força, muita força! Por isso, a professora não recomenda a prática sem orientação de um profissional. “Você pode ter uma barra em casa, até para praticar mais. Também não tem contra indicação de idade ou biotípico, mas é necessário conhecer bem o esporte para não se machucar e evitar graves lesões”.

A grande maioria dos exercícios são isométricos, que envolvem contração muscular, tonificando músculo sem hipertrofiá-lo. Entre os outros benefícios, está o aumento da elasticidade corporal, equilíbrio e o alto gasto calórico, além de ser uma atividade de baixo impacto, apesar dos movimentos acrobáticos.

Por possuir características do mundo fitness, a técnica de enfermagem e estudante de odontologia Marcela Albino diz que procurou o Pole Dance porque não gostava de malhar. “Ele é lindo, só fiz unir o útil ao agradável, pois sempre fui fascinada pelos movimentos e tinha vontade de praticá-los. Para mim, é muito melhor que academia”.

O que mais chama a atenção de Marcela é o desafio da gravidade e a força, como segurar o corpo com as pernas. “Tudo isso melhorou bastante minha qualidade de vida. Além do enrijecimento muscular, levanta autoestima e é uma forma perfeita de distração. Amo!”. Porém, apesar da estudante só elogiar a modalidade, revela que o preconceito realmente ainda existe.

Inclusive, nossa reportagem conversou com outra aluna, que preferiu não se identificar, e ela afirmou não ter dito aos pais que fazia o esporte com receio de que fosse mal interpretada. Ela acabou contando para a mãe, que não viu problemas, mas recomendou não falar ao pai. Polêmicas à parte, divirta-se junto com o Pole Dance numa demostração de Jacqueline Colares exclusivamente para (e) Na Ponta do PÉ!

SERVIÇO | Estúdio de Pole Dance Jacqueline Colares
Local: Rua Benfica, 505, Madalena, Recife (PE) – Emballo Escola de Dança (dentro do Clube Internacional).
Contatos: (81) 9620.3471
poledance.recife@hotmail.com
poledancerecife-pe.blogspot.com.br




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
      Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
    • MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
      MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa

    Deixe um comentário

    Mensagem