Zouk faz a festa nos salões
  • Demetrius Gonçalves ao lado de suas parceiras Isabel Eyre e Emilayne Gomes
    img
  •        
  • Demetrius Gonçalves ao lado de suas parceiras Isabel Eyre e Emilayne Gomes
    img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        

Com movimentos semelhante ao da lambada, o ritmo latino é a nova a sensação nas escolas de danças e bailes de Pernambuco

Carregando no seu nome o significado de festa, o zouk diverte os salões do mundo. Com origem caribenha, começou a ser difundido em Pernambuco recentemente, mas já virou febre e conquista novos seguidores todos os dias nas escolas e bailes de dança de salão. Marcado em quatro tempos, onde o quarto é “suspenso”, o estilo traz movimentos semelhantes ao da lambada, como as jogadas de cabeça e cambrés acentuados.

Ele possui várias vertentes, entre as principais: zouk flow, predominando os deslizamentos, soul zouk, onde prevalece o trabalho do corpo, ao invés da marcação, o zouk love, mais marcado,  neo zouk, que tem uma pegada do hip hop e com movimentos circulares, e lamba zouk, o mais frenético.

E os pernambucanos, claro, abrem espaço para todas essas variações. As performances, eles mostram em eventos espalhados pelo estado, como a Parada Zouk, que existe desde 2008, no Recife. O idealizador é o professor de dança de salão Roberto Cristiano, revelando que teve a ideia de realizar uma balada especialmente para o ritmo porque queria trazer algo novo para a cidade. “Como tem uma pegada e batida parecida com os nossos ritmos, caiu no gosto rápido do público local”.

O evento acontece mensalmente, além de edições especiais que incluem workshops e palestras com profissionais de outras partes do Brasil. Para a professora e bailarina Cinthia Marcelle, esposa de Roberto e sua parceira nos salões, a principal característica do estilo que chamou sua atenção foi a liberdade criativa e musicalidade. “O zouk empolga também porque expressa a paixão de uma forma muito forte e suave ao mesmo tempo”.

Já o bailarino e coreógrafo Demetrius Gonçalves, pós-graduado em Dança pela Gama Filho (RJ), diz que a sensualidade, mas longe de ser vulgar, e a evolução artística do estilo foram peculiaridades que mais impressionou quando conheceu o zouk. “Dançava na escola de Jaime Aroxa, onde tinha, além do salão, base de outras danças, como o clássico e contemporâneo. Mas quis buscar algo novo para difundir no estado e encontrei o zouk”.

Assim, começou a se especializar e pesquisar mais sobre o estilo em 2006, quando se inscreveu no Congresso de Zouk em Brasília e o convidaram para ministrar um workshop. Hoje, Demetrius, que desenvolveu técnicas exclusivas dessa dança, já levou seu estilo para 16 países. No Recife, dá aulas de dança de salão semanalmente.

O professor Irlan Gomes, de 20 anos, é outro zoukeiro convicto, representando os jovens talentos do salão em PE. “Comecei a dançar há 6 anos, com o forró. Mas quando vi um casal dançando zouk, fiquei apaixonado pelo estilo na hora e quis logo apreender”. Assim, em 2010, começou a estudar e participou de congressos na área, já ministrando, no mesmo ano, workshop em Porto Seguro. De lá para cá, já dá aulas regulares do ritmo, na Escola Baillar, e realiza workshops itinerantes, explicando que o zouk não é difícil, mas tem que “merecer para dançar”.

O estudante de Educação Física Daniel Sena, de 23 anos, é outro que escolheu o ritmo para se especializar, voltando de recente curso com o atual campeão mundial de zouk, Ricardo Espeschit, em Belo Horizonte. “Passei seis meses num dos maiores polos do estilo, onde aprendi técnicas inéditas para dançar e ensinar. Isso porque quero seguir também a carreira de professor”.

A estudante e dançarina Isabela Melo, de 16 anos, é a mais nova da turma, que começou a dançar aos 10 anos e aos 12 já havia se apaixonado pelo zouk, pois “envolve o casal de uma forma encantadora”, justifica.  E esses jovens fazem a festa na demonstração exclusiva para o Na Ponta do PÉ. Confira o vídeo do trio!




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
      Meia Ponta e Mundo Bailarinístico realizam workshop sobre conteúdo de balé e mídias sociais
    • MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
      MOC Dança PE realiza quarta edição virtualmente
    • Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa
      Inspirações da bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Liana Vasconcelos para produzir dança em casa

    1 Comentários

    Priscila Rodrigues

    2012-09-23 23:42:34 Responder

    Ferassss!!!

    Deixe um comentário

    Mensagem