Festa dos tambores
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        
  • img
  •        

Em comemoração aos seus 13 anos, a Criart Cia. de Dança (PE) lança o espetáculo Cangoma, uma fusão entre o popular e o contemporâneo para mostrar a alegria afro

Maíra Passos

Os tambores fazem a festa em Cangoma, da Criart (PE), espetáculo lançado em comemoração aos seus 13 anos. E Na Ponta do PÉ, claro, acompanhou tudo nos bastidores para contar os detalhes da produção inédita da companhia, que atua na difusão da cultura regional através da dança popular, agregando uma linguagem contemporânea e moderna.

Com mais de 11 montagens ao longo de sua história, a diretora e coreógrafa Paula Azevedo conta que a ideia de Cangoma é mostrar a alegria do afro, que repercute nas festividades da nossa terra. “Já havíamos explorado a influência africana em outros espetáculos, como em Orum Aiê, que teve mais uma abordagem histórica e religiosa. Mas queria trazer também a festa dos seus tambores para o palco”, explica.

E os batuques entram em cena ao vivo em vários trechos do espetáculo, numa interação entre músicos e bailarinos para expressar a multiculturalidade. A fusão de ritmos, inclusive, é uma forte característica da companhia, que se inspira nas diversas manifestações para criar novos passos. A união pode ser de movimentos do frevo, maracatu, forró, contemporâneo e mais possibilidades que a dança permitir. A referência é a diversidade do popular, mas com alinhamentos diferenciados, já o propósito da Criart é uma linguagem para os palcos.

“Podemos contar uma história africana, mas há elementos do caboclinho, ciranda e até do balé clássico, sem rotular os passos por estilos”, esclarece a coreógrafa. Questionada sobre a preferência de ritmo, Paula se declara apaixonada por todo o universo da nossa cultura regional. Porém, diz que é comum abordar nas suas produções o afro pelo fato da África ter influenciado o mundo inteiro, já que é o berço da humanidade.

“Como nosso povo tem forte descendência afro, a base da nossa dança popular é também bastante marcada por ela”, relata. Com cerca de 40 minutos de duração, Cangoma é mais um exemplo dessa riqueza cultural, ilustrada pelos passos de mais de 15 bailarinos pernambucanos Na Ponta do PÉ! Confira trechos do espetáculo em vídeo especial no canal!




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

POSTS RELACIONADOS:

  • Mostra Só Dança PE chega à terceira edição
    Mostra Só Dança PE chega à terceira edição
  • Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
    Caruaru ganha seu primeiro congresso de dança
  • Mundo ao redor da dança
    Mundo ao redor da dança

Deixe um comentário

Mensagem