Bailarina explica sobre o maracatu, enquanto dança, e fala dos desafios da dança popular na pandemia
  • Dadinha Gomes | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        
  • Maracatu Nação Pernambuco, desde 1989 | FOTO: Maíra Passos
    img
  •        

Na Ponta do PÉ entrevistou a professora de dança popular Dadinha Gomes, à frente da Viradança, escola de dança do Maracatu Nação Pernambuco

Continuando nossa série sobre “Dança pernambucana na pandemia”, Na Ponta do PÉ conversou com a bailarina, coreógrafa e professora de dança popular Dadinha Gomes sobre a dança do maracatu e os desafios de manter viva a tradição dessa dança popular, ainda mais em tempos de pandemia.

A artista integra, há 22 anos, o elenco do Maracatu Nação Pernambuco, fundado em 1989 e com sede na Praça do Carmo, em Olinda (PE). Desde 2016, Dadinha está à frente também da Viradança, que é a escola de dança do Nação, onde dá aulas de dança popular.

Segundo a bailarina, a dança do maracatu é um festejo, uma simbolização à força ancestral, dos escravos. “Tem toda uma questão do maracatu no fundamento religioso, mas o Maracatu Nação Pernambuco também faz um trabalho artístico. Então, enquanto agremiação, a gente vai pra rua festejar”, diz.

E completa: “é um cortejo, um festejo em homenagem ao Rei do Congo. Então, pra dança é essa coroação, essa ancestralidade, que está sempre presente no dia a dia da gente. Porque várias vezes também a gente pensa em desistir. Mas algo maior faz a gente seguir”.

Sobre os passos do maracatu, Dadinha conta que o Nação vem com referências do Balé Popular do Recife, trazida por Amélia Veloso, coreógrafa, produtora e cantora do Nação Pernambuco. “A partir das referências do Balé, fizemos criações, recriações, pesquisas e também já temos metodologia própria”, explica.

Porém, os batuques foram silenciados e o maracatu não conseguiu celebrar sua dança no carnaval de 2021, por causa da pandemia. Se, normalmente, já é difícil manter viva a tradição dessa dança popular, neste novo normal é uns contratempos a mais. Mas a dança, a arte, continua, sim! Confira a entrevista completa no nosso canal do Youtube.

​Conteúdo produzido por Na Ponta do PÉ com incentivo da Lei Aldir Blanc, através Secretaria de Cultura do Governo de Pernambuco.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Maíra Passos

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Neste Dia do Frevo, confira nosso TOP 5 com passistas frevando Na Ponta do PÉ!
      Neste Dia do Frevo, confira nosso TOP 5 com passistas frevando Na Ponta do PÉ!
    • Aulas de ballet 30+, conexão corporal, dança para crianças e pilates são oferecidas pela bailarina Camila Alvim, online
      Aulas de ballet 30+, conexão corporal, dança para crianças e pilates são oferecidas pela bailarina Camila Alvim, online
    • Diálogos sobre homens na dança marcam a quinta edição do projeto Mu-Dança
      Diálogos sobre homens na dança marcam a quinta edição do projeto Mu-Dança

    Deixe um comentário

    Mensagem