Dançarina de salão representa Pernambuco em mundial de salsa solo, na Espanha
  • Kamille Carvalho | FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • Kamille Carvalho | FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • Kamille Carvalho | FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • Kamille Carvalho | FOTO: Divulgação
    img
  •        
  • Kamille Carvalho | FOTO: Divulgação
    img
  •        

Depois de ficar em segundo lugar em competição nacional, bailarina foi selecionada para o mundial que acontece em maio

A recifense Kamille Carvalho, bailarina e dançarina especialista em ritmos latinos, vai levar a bandeira de Pernambuco à Espanha. É que a profissional participou, em 2019, da Competição Nacional Brasil Latin Open, foi vice-campeã na categoria Salsa Solo Feminino e, posteriormente, também se classificou para o Campeonato de Pasos Livres La Negra Salsa, que acontecerá em maio de 2020, na Espanha.

Kamille é especialista em ritmos latinos e professora de danças de salão, dando aulas em turmas regulares na Biazzi Escola de Danças, em Boa Viagem, e na Academia Tecnoforma, em Coqueiral, além de aulas particulares. Representa Pernambuco na Competição Nacional Brasil Latin Open desde o ano de 2015, onde foi convidada pela organização do evento devido ao trabalho que já desenvolvia com a salsa em Recife.

Desde então, por várias vezes ficou entre as três primeiras colocadas em categorias diversas, todas voltadas a salsa. No ano de 2015, ficou em terceiro lugar na Categoria Salsa Solo Feminino Profissional, em 2016 foi vice-campeã na categoria Pro-Am (Profissional Dançando com Amador), com o então aluno Willie Vieira. Em 2017, ficaram em terceiro lugar na mesma categoria, e em 2019 foi vice-campeã na categoria Salsa Solo Feminino.

“Cada experiência foi maravilhosamente única, mas o vice-campeonato como solista em 2019 foi um divisor em minha carreira devido a preparação e a equipe que me apoiou para eu ficar entre as melhores do país na competição, além das dificuldades superadas, como a falta de patrocínio. Meus alunos e amigos acabaram se tornando meus patrocinadores”, enaltece.

A seleção para o Mundial foi realizada através de seleção por vídeo e análise de currículo artístico. Kamille usou a participação em anos anteriores no Brasil Latin Open para conseguir ser selecionada. “Estou muito ansiosa, porém confiante de representar bem nosso país. Lá estarão competindo as melhores profissionais da atualidade no mundo da salsa, inclusive boa parte delas são de grande referência para mim no que diz respeito a linha de estudo e trabalho”, afirma.

A competição será na cidade de Castellón, na Espanha, no Complexo Marina D’or, acontecerá na primeira semana do mês de maio de 2020 e se chama “Campeonato Mundial de Passos Livres La Negra Salsa”, hoje considerado o mais importante da categoria.

Vaquinha

Para custear a viagem para a Espanha, documentos, hospedagem, alimentação, deslocamento e algumas despesas com a preparação, a bailarina está em busca de patrocínios e também lançou uma vaquinha virtual. Doações podem ser feitas através do link vaka.me/896565.

Salsa solo

A salsa é um ritmo bastante difundido e praticado por brasileiros, mas na sua grande maioria é dançado a dois. Segundo Kamille, a salsa solo é sim pouco conhecida no Brasil, mas vem ganhando seu espaço. A especialista conta que na América Latina toda, exceto Brasil, a salsa solo é trabalhada nas escolas de dança com crianças a partir dos 6 anos de idade, onde inclusive são preparadas para competições.

“Faz parte da cultura deles, já crescem como amantes da salsa, e muitos resolvem seguir a carreira como bailarinos profissionais”, conta. Ainda segundo a dançarina, esta forma de dançar salsa, no que diz respeito a shows e competições, surgiu nos EUA com os bailarinos de salsa no estilo Mambo, onde eles intitularam de “Shine” (um momento de brilho), onde dançam soltos nos momentos de percussão ou instrumental da música. Como não tinha pares para todos sempre, passaram a dançar fazendo “Shine” na música toda, como solistas mesmo.

Sobre as características, semelhanças e diferenças entre a salsa a dois e salsa solo, Kamille explica: “a marcação, o estilo e o corporal é o mesmo que usamos para dançar a salsa a dois, onde usamos um compasso musical inteiro com oito tempos (pulsos) para realizar as marcações com os pés. Geralmente usamos essa marcação dançando no tempo forte, que chamamos de ‘On 1’ ou no tempo seguinte que chamamos de ‘On 2’”.

Além de dançar sozinho e usar a marcação de salsa, outra característica apontada por Kamille na sala solo é a liberdade de mesclar com outras modalidades, como o jazz, hip hop, utilizar de movimentos de ginástica, entre outros. “Eu, particularmente, acho mais fácil dançar sozinha, mas esta opinião varia de bailarino para bailarino. No caso da dança em casal, tem que ter uma boa conexão com o parceiro, os dois têm que falar ‘a mesma língua’, caso contrário deixa de ser dança a dois. Tem bailarinos de salsa que tem pavor de dançar sozinhos. Amo as duas situações, amo bailar salsa de qualquer forma”, comenta.




Postado por


COMPARTILHE:

Sobre o autor
Fabiana Almeida

    ÚLTIMOS POSTS:

    • Saúde mental e dança durante a quarentena
      Saúde mental e dança durante a quarentena
    • Workshop online de psicologia da dança com inscrições abertas
      Workshop online de psicologia da dança com inscrições abertas
    • Bachata: conheça os estilos e passos desse ritmo latino que vem ganhando os salões de dança do Brasil
      Bachata: conheça os estilos e passos desse ritmo latino que vem ganhando os salões de dança do Brasil

    1 Comentários

    Priscila vilemen

    2020-03-09 16:57:56 Responder

    Kamille Carvalho, excelente profissional .. sucesso!!

    Deixe um comentário

    Mensagem